Armazenamento de células-tronco de dente de leite aumenta 300% em um ano

Armazenamento de células-tronco de dente de leite aumenta 300% em um ano

Empresa brasileira é especialista e tem processos reconhecidos pela NASA

Um investimento para o futuro da saúde dos filhos. Essa é a proposta da R-Crio, empresa especialista de criopreservação de células-tronco extraídas da polpa do dente de leite no Brasil, que teve um aumento de armazenamentos de 300% de 2016 para 2017. Recomendada pela Associação Brasileira de Odontologia (ABO) e com patente reconhecida pela NASA, a empresa é especializada em isolamento, expansão e armazenamento dessas células.

A procura por esse tipo de serviço tem crescido bastante nos últimos anos, principalmente em função do avanço das pesquisas no uso dessas células, já que elas podem dar origem a outros tecidos e células como neurônios, músculos e cartilagens e, assim, oferecer curas e tratamentos mais eficazes.

Essas células-tronco do dente de leite, especificamente, já se mostraram eficazes na reconstrução óssea em fissura labiopalatina, no enxerto em queimaduras de terceiro grau, na regeneração da córnea e na regeneração de leões ósseas. E é apostando nessas novas descobertas médicas que o armazenamento dessas células se torna cada vez mais uma oportunidade de melhorar a qualidade de vida no futuro de uma criança, como explica o dentista e presidente da R-Crio, José Ricardo Ferreira.

“A possibilidade de se utilizar células-tronco extraídas de dente de leite em terapias experimentais permite que haja um grande avanço para ciência de modo a dar sustentabilidade e fundamentação para que tenhamos em um futuro próximo, tratamentos mais previsíveis, menos invasivos e menos custosos”, afirma o profissional.

Exemplo reais
Esse avanço da medicina e essa proposta de um futuro com mais opções de tratamentos fica ainda mais visível quando olhamos para casos reais. Ernesto, por exemplo, é um garoto com síndrome de Down e com fissura labiopalatina. As células-tronco do dente de leite da criança foram armazenadas para serem utilizadas no tratamento da má formação crânio facial caracterizada por uma abertura na região do lábio. Além disso, com os avanços da ciência, os pais também têm esperanças de que um dia as células-tronco tragam benefícios para a síndrome de Down. “Somos gratos pela oportunidade de podermos dar esse importante passo”, comentam os pais Sheila e Marcos.

O uso das próprias células-tronco em tratamentos futuros minimiza o risco de rejeição pelo organismo e foi pensando nisso também que o Antônio, pai do Bruno, decidiu investir no armazenamento desse tesouro. “Se daqui a alguns anos aparecer uma pesquisa com células-tronco para Coloboma, ele já tem as suas preservadas”.

Para disponibilizar o acesso do público ao armazenamento, a R-Crio possui uma ampla rede de profissionais credenciados em todo o país para a coleta do dente e envio para o laboratório em Campinas/SP. Em nossa região, o dentista credenciado indicado para ser consultado sobre o assunto é o (NOME E SOBRENOME DO DENTISTA).

Como funciona o armazenamento
Profissionais credenciados realizam uma investigação da saúde da criança e fazem a indicação do dente de leite a ser extraído e o melhor momento para sua realização, sendo que o procedimento é totalmente controlado, seguro e minimamente invasivo. Após o procedimento, que é realizado por um dentista, o dente é encaminhado para o laboratório, onde as células-tronco são isoladas da polpa do dente e passam pelo processo de multiplicação e controle de qualidade, sendo posteriormente congeladas.

Sobre a R•Crio
A R•Crio é o único laboratório no Brasil especializado na coleta das células-tronco da polpa do dente de leite. A empresa tem como objetivo oferecer serviços de excelência, que contemplem todas as etapas envolvidas entre a coleta de células-tronco e sua efetiva utilização no futuro, trabalhando com um processo de isolamento e multiplicação exclusivos, protegidos por patente, reconhecidos pela NASA e certificados pela Associação brasileira de Odontologia (ABO).